Novo blog

Blog

Conheça o novo Blog do Banco Intermedium!

Acesse: https://www.intermedium.com.br/blog.jsf e fique por dentro das novidades do mercado financeiro!

Anúncios

Dez aplicativos para organizar suas finanças

A tecnologia móvel pode facilitar muitos aspectos da nossa vida, inclusive quando se trata de finanças. Muitos apps para iOS, Android e Windows Phone, gratuitos e pagos, são capazes de lhe ajudar em seus investimentos e sonhos, controlar suas despesas, ajudar na hora de pagar uma conta, converter valores de uma moeda em outra, escanear o código de barras de seus boletos e até mesmo dividir despesas em um restaurante .

Confira a lista dos principais aplicativos:

FINANÇAS

InvestCalc (iOS, US$ 0,99) – App brasileiro idealizado para ser uma calculadora de investimentos totalmente configurável. Permite a simulação de diversas situações futuras, como quanto é preciso guardar por mês para juntar certa quantia de dinheiro no banco, com quanto é necessário contribuir para se aposentar com um valor X, quanto você precisa ter para viver de renda, quanto você receberá se decidir se aposentar antes da hora, quanto você terá no banco se depositar certa quantia hoje e deixar o dinheiro intocado por 20 anos e muito mais.

O app permite simular e descobrir diversos tipos de incógnitas para um mesmo cálculo. Ainda calcula parcelas de financiamentos e simula pelas tabelas Price ou SAC. Tem um conversor de taxas de juros, mensal x anual, embutido e gera relatórios detalhados dos cálculos executados, que podem ser enviados por e-mail.

Cartão Fácil (Android versão grátis e paga, R$ 6,22) – Este aplicativo é muito útil para controlar seus gastos, faturas e limites de cartões de crédito. Entre com suas despesas e dê baixa nas faturas pagas que o app calcula qual o limite ainda disponível no cartão e informa onde e quanto você gastou de maneira clara e fácil até mesmo para identificar os “vilões” das despesas. Ao ir dando baixas nas faturas já pagas, o limite do cartão vai sendo recalculado automaticamente.

A configuração é simples e intuitiva – basta definir o chamado “melhor dia para compras”, informado pela administradora do cartão, e é a partir deste dia que o app define na fatura de qual mês suas compras serão incluídas. A versão paga inclui, em relação à gratuita, melhorias como backup do banco de dados, baixa parcial de parcelas, e a possibilidade de gerar vários tipos de relatórios.

Yupee (iOS e Android, grátis) – App brasileiro para controle e gestão de finanças pessoais que tem um grande diferencial em relação aos outros do tipo: o campo “sonhos”,  onde o usuário pode listar seus objetivos e descobrir a melhor forma de conseguir viabilizá-los financeiramente. O aplicativo estima quanto custará o sonho até se concretizar e mostra qual o valor que deve economizar por mês para atingir a meta, mostrando em tempo real o progresso obtido.

Além disso, você registra e altera pagamentos e recebimentos (únicos ou recorrentes), em diversas formas (dinheiro, boleto, cartão de crédito, etc.), visualizando suas contas por cores (em dia ou atrasadas), e pode classificá-las em categorias. Ainda gera relatórios e gráficos de suas finanças dos últimos três meses.

Bill Reminder (Windows Phone, versão grátis e paga, R$ 3,99) – Este app organiza suas contas por cores: verdes a vencer; amarelas vencendo no dia de hoje e vermelhas as já vencidas. Você também pode programar as datas de pagamento (mês a mês, semana a semana etc) que o app já calcula os próximos vencimentos sozinho. Tem suporte a atualizações no live tile na tela inicial, pop ups e alarmes para te lembrar das contas.

Gestor de Despesas Hand Wallet (Android, grátis) – Um gestor de despesas poderoso com vários diferenciais. Bastante completo, permite dividir seus gastos em mais de 100 categorias e subcategorias diferentes. Suporta múltiplas contas, gastos em moeda estrangeira e permite anexar imagens, documentos ou mensagem de voz a cada anotação, e gera gráficos de suas contas e rendimentos, com direito a contas de porcentagem de quanto cada gasto pesa no seu bolso.

Hand Wallet no Android: app permite que usuário atache lembretes de voz a cada operação

Os diferenciais deste app são os seguintes: calcula os pagamentos exatos no seu cartão de crédito de acordo com o dia de vencimento da faturam para evitar surpresas; calcula juros de empréstimos; e divide/mostra suas despesas por tipo de consumo.

Calculadora financeira (Android, grátis) – App leve e último que faz cálculos de juros simples e compostos, descontos simples e compostos, desconto comercial e racional, montante, financiamento e tabela Price e SAC.

Calculadora financeira simula juros

Divide a Conta (Windows Phone, grátis) – Muito útil nas saídas noturnas com os amigos, mais do que uma simples calculadora, esse app mantém até mesmo uma memória das despesas com contas passadas (pagou para seu amigo? Fica registrado lá). Dá para personalizar por quantos participantes será(ão) dividido(s) o(s) item(ns) da conta e ainda adicionar os 10% de taxa de serviço.

Bônus: existem bons apps semelhantes para iOS, como o Passa Régua (que faz cálculo das contas com e sem bebidas) e para Android, o Pagando a Conta.

Cigam Boletos (iOS e Android, grátis) – Esse aplicativo efetua a leitura do código de barras do boleto pela câmera do smartphone, evitando que você tenha que digitar aquela linha imensa de números – e tenha que começar tudo de novo caso erre algo. Capturado o código, dá para enviá-lo na hora para um computador Windows ou Macintosh, por e-mail ou mesmo automaticamente, sem mexer em mais nada, a partir de um software disponível no site do desenvolvedor.

Fazendo isso, é só “colar” a numeração em qualquer site de banco e efetuar o pagamento. Ou então deixar o internet banking aberto e a seta do mouse no campo destinado à digitação do código de barras, que os números são mandados automaticamente para a instituição financeira. O Cigam ainda armazena uma lista dos boletos lidos e seus respectivos valores, por ordem de pagamento ou data da leitura do código, e cadastra nomes de favorecidos.

Boleto Pago (Android e iOS, grátis) – Esse app recalcula os valores de boletos vencidos, apresentando o valor final dos títulos com base nas seguintes informações: valor final de títulos com base nas seguintes informações: valor original, data de vencimento, nova data de pagamento e as condições previstas para juros e multas. O aplicativo guarda um histórico das contas em atraso que o usuário já pagou.

SmartCoin (iOS, US$ 0,99) –  Uma lista de 175 moedas com cotações atualizadas em tempo real, com valores conversíveis de e para cada uma delas é o grande atrativo desse app, apontado como o melhor do gênero disponível na App Store. O SmartCoin é capaz de calcular o câmbio de até quatro moedas simultaneamente, possibilita que você salve uma lista de favoritas e salva resultados das últimas conversões.

O app ainda é capaz de gerar gráficos de taxas de câmbio e, como bônus, traz uma relação de todos os Bancos Centrais dos países listados.

* FONTE: ESTADÃO

Comprar passagens com antecedência pode gerar economia de até R$ 1.119

Viajar requer planejamento financeiro para arcar com os custos das passagens, hotel e gastos durante os passeios, tanto que um levantamento realizado pela Proteste – Associação de Consumidores revelou que aqueles que compram as passagens com antecedência podem ter uma economia de até R$ 1.119.

A pesquisa avaliou durante seis meses quanto custaria o preço das passagens aéreas para seis destinos, sendo quatro internacionais e dois nacionais, com saída de São Paulo e com data de partida no dia 4 de outubro e retorno no dia 14 do mesmo mês.

No caso de Natal, no Rio Grande do Norte, por exemplo, a variação dos preços dos bilhetes, entre maio e agosto, chegou a 104%. Veja abaixo os valores:

Image

 

Fonte: Infomoney | Por Juliana Américo Lourenço da Silva | De São Paulo

Renda Fixa X Poupança X Tesouro Direto

Imagem

Antes de investir, é importante conhecer as modalidades disponíveis no mercado para entender as vantagens e especificidades de cada uma delas. Avaliar as opções para fazer a escolha correta de acordo com o seu perfil de investidor é essencial. Por isso, este post irá falar sobre alguns tipos de investimento bastante procurados: Renda Fixa (LCI, CDB e Tesouro Direto) e Poupança.

Renda fixa

O investimento em renda fixa é caracterizado por títulos que pagam, em períodos definidos, certa remuneração. Para entender melhor, imagine que os títulos são empréstimos: quando você compra um título de renda fixa, você empresta dinheiro ao emissor (um banco, por exemplo). Os juros cobrados são a remuneração recebida pelo empréstimo do dinheiro, em um período já estabelecido. Os títulos dessa modalidade são pouco suscetíveis à volatilidade dos mercados, ao contrário dos investimentos em rendas variáveis, nos quais se pode até perder dinheiro. Independente do perfil do investidor, os produtos de renda fixa são excelentes opções. Exemplos de produtos de renda fixa são o Certificado de Depósito Bancário (CBDs) e as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs).

CDB e LCI

O CDB é um investimento que oferece liquidez diária após um determinado período de carência que pode ser de 30, 180 ou 360 dias.

Quanto mais tempo o recurso permanecer aplicado, maior será a rentabilidade, devido à tabela regressiva de Imposto de Renda.

Já as LCIs são isentas de Imposto de Renda para pessoas físicas, garantindo melhor rentabilidade. As operações são feitas por prazos fechados que podem ser de 60 a 360 dias, não sendo possível resgate antecipado. Assim como o CDB, a LCI é um produto livre de tarifas, taxas de administração ou performance.

Estas duas modalidades de investimento são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$ 250 mil por conta. Para ajudar a mensurar o rendimento de uma aplicação em LCI ou CBD, faça uma simulação: http://bit.ly/SimuladorInvestimento

Poupança

A Poupança, investimento mais popular entre os brasileiros, é isenta de imposto de renda e possui rendimento mensal. Apesar de o dinheiro aplicado na poupança poder ser resgatado a qualquer momento, se isso acontecer fora do dia do aniversário do depósito, que ocorre a cada 30 dias, o investidor perderá o rendimento daquele mês.

Esta modalidade oferece baixa rentabilidade. Atualmente, o rendimento fixo da poupança é de 0,50% ao mês mais a Taxa Referencial (TR).

Assim como nos investimentos em CDB e LCI, o FGC garante ao investidor o valor de até R$ 250 mil por instituição financeira.

Tesouro Direto

Por último, o Tesouro Direto é o formato online do Tesouro Nacional, destinado a investidores que desejam comprar títulos públicos via corretora. Nos dias de hoje, existem dois tipos de títulos: as notas, de prazos mais longos, e as letras, de prazos mais curtos. Esses títulos possuem divisões, que possibilitam ao investidor optar por letras que são mais favoráveis em cenários de alta de juros e letras que oferecem mais rentabilidade em cenário de juros baixos.

Os títulos do Tesouro têm remuneração pré-definidas, sendo que o valor dos títulos oscila no tempo. De acordo com as modificações no cenário econômico, eles sofrem valorização ou desvalorização. São aplicações de longo prazo que se resgatadas antes do vencimento final do papel, podem ter sua rentabilidade comprometida.

6 dicas para você finalmente parar de gastar dinheiro à toa

Imagem

Seria muito bom se existisse um plano mirabolante para mudar antigos maus hábitos da noite para o dia. Mas, a realidade mostra que para perder 20 quilos, parar de fumar etc. é preciso fazer uma mudança profunda. Ainda que os esforços possam ser enormes, as recompensas podem ser significativas. Assim como ao perder peso, algumas pessoas mudam de trabalho e até de cônjuge, uma mudança na relação com os gastos pode não só trazer benefícios na sua relação com as finanças, mas na sua vida como um todo.

EXAME.com conversou com Fabio Sousa, sócio da consultoria financeira FTN e autor do livro “Como Passar de Devedor a Investidor”, e com a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do atendimento de pacientes com Compras Compulsivas do Ambulatório dos Transtornos do Impulso (AMITI) do Instituto de Psiquiatria da USP para selecionar algumas dicas de como gastar menos e ter uma vida financeira mais saudável. Veja a seguir:

1. Entenda por que você está gastando mais do que deve

O consumo excessivo muitas vezes está ligado a fatores emocionais. Por isso, refletir sobre os motivos que o levam a gastar sem limites pode ser um bom começo para solucionar o problema. “Para gastar menos é preciso identificar o que está te fazendo consumir desse jeito. Muitas pessoas se permitem gastar mais do que podem porque estão em um momento frágil ou porque encaram o consumo como uma busca de prazer e como uma forma de se sentir melhor em determinado meio”, afirma Tatiana Filomensky.

Ao entender que você compra quando considera que seu dia foi muito difícil no trabalho, por exemplo, é possível refletir e se dar conta de que sua receita não aumenta na mesma proporção dos gastos para cada dia difícil que você tem. Portanto, gastar mais por isso não faz sentido. Ou você pode perceber que o problema está na sua insatisfação com o trabalho e que resolver isso será mais eficaz do que cortar seus cartões de crédito.

2. Anote todos os seus gastos, sem exceção

“Aquilo que não se pode medir, não se pode melhorar”. A frase do físico irlandês William Thomson resume a importância de colocar todos os gastos no papel.

Conforme Fabio Sousa explica, ao anotar até os cafezinhos é possível entender exatamente qual é o destino do seu dinheiro e então fazer melhores escolhas sobre como gastá-lo, evitando o consumo desnecessário. “Ao perguntar a uma pessoa tudo que ela gasta por mês, a primeira impressão é que deveria sobrar dinheiro, mas não sobra porque muitos gastos fogem da nossa cabeça”, diz.

Para facilitar esse controle, Sousa sugere o uso de uma planilha que inclua não só os gastos, como todo o seu planejamento financeiro. No site da FTN, na página sobre seu livro, ele disponibiliza para download um modelo de planilha gratuita.

3. Contabilize gastos parcelados como uma única parcela

Sousa também sugere que, na planilha de gastos, mesmo as compras parceladas sejam contabilizadas como uma compra à vista. Por exemplo, a compra de uma televisão de 1.000 reais, parcelada em 10 vezes de 100 reais, seria registrada na planilha do mês em que a compra foi feita como um gasto de 1.000 reais. Ao reservar em um mês 1.000 reais restariam no mês seguinte 900 reais, no outro 800 reais e assim por diante.

Caso não seja possível reservar todo o valor naquele mês, é um sinal de que a compra deve ser postergada. E caso a compra seja extremamente necessária, mas não haja dinheiro para pagá-la de uma vez, então a sugestão de Sousa é anotar na planilha o gasto todo, registrando que ele deixou seu controle negativo, para que no mês seguinte outros gastos sejam cortados e a situação volte a ficar positiva. “Se o pagamento à vista não oferecer desconto, a vantagem desse procedimento é permitir que aqueles 900 reais reservados cubram uma eventual entrada no cheque especial no mês seguinte. O dinheiro vai estar lá como um colchão financeiro”, diz.

4. Entenda que ao evitar um gasto agora, você pode ganhar muito depois

Evitar gastos por evitar pode ser muito mais difícil do que cortar os gastos para atingir um objetivo. “A pessoa precisa basicamente pensar se ela quer mais o prazer imediato ou a tranquilidade a médio e longo prazo. Assim, ela consegue aprender a administrar vontades e evitar o consumo que não faz sentido”, afirma Fabio Sousa. “Quando falamos de investimentos, não estamos fazendo nada mais do que falar sobre deixar de comprar agora o que não é tão importante para comprar coisa melhor no futuro”, completa.

5. Não compre nada imediatamente

Outra maneira de contornar o ímpeto de consumir, segundo Sousa, é não fazer a compra imediatamente. “Quando a pessoa sente vontade de comprar algo que não estava planejado, ela não deve fazer a compra naquele momento. Ela deve dar uma volta e pesquisar mais preços em outros lugares, ou esperar alguns dias. Dessa forma, ou ela cai em si e vê que não quer realmente comprar aquilo, ou ela pode encontrar um preço menor”, diz o sócio da FTN.

Ele acrescenta que os vendedores costumam ser treinados para atender os clientes prontamente, justamente para que eles façam a compra por impulso, sem que tenham tempo de pensar duas vezes.

Tatiana Filomenski também acredita que evitar fazer a compra imediatamente pode ajudar a frear os gastos e sugere que seja feita a seguinte reflexão: “Antes de consumir, é preciso fazer algumas perguntas. A primeira é: eu preciso? Se a resposta for sim, a segunda pergunta é: eu posso? E se a resposta for sim, a terceira pergunta é: eu consigo esperar um pouco?”, afirma.

6. Poupe parte do seu dinheiro no início do mês

Muitas pessoas que gostariam de iniciar uma poupança deixam pra fazer isso com no final do mês, mas no meio do caminho acabam gastando o dinheiro que seria investido. Por isso, reservar uma parte do seu dinheiro para os investimentos logo que o salário cai na conta é uma boa maneira de juntar o útil ao agradável: além de formar uma poupança, você não corre o risco de gastar o dinheiro que está sobrando na conta com o que não é necessário.

Fonte: Exame | Por Priscila Yazbek | De São Paulo

As 12 melhores lições de investimento para a aposentadoria

Imagem

É fácil se envolver nos detalhes das coisas que você está fazendo e perder de vista os princípios importantes que devem ditar as nossas escolhas e que vão influenciar o resultado de tudo o que fazemos.

Assim, Paul Merriman, colunista do Market Watch, resolveu compartilhar 12 lições importantes que aprendeu sobre como investir. “Eu continuo voltando para esses conceitos e princípios de novo e de novo para me manter – e os meus leitores – em curso”, afirmou.

Um

Eu não sei o futuro e eu nem tenho como saber. Aliás, nem eu e nem qualquer outra pessoa. Quando eu era jovem, acreditava em um monte de especialistas que achavam que poderiam saber o futuro e aproveitar o seu conhecimento. Seus argumentos eram tão convincentes que eu os segui confiante. Mas outras vezes acabei sendo surpreendido – às vezes até mesmo atordoado – para descobrir o quão diferente era o futuro real quando comparado com o que os especialistas previam.

Dois

O melhor guia que eu encontrei para o futuro é o passado. O passado fornece probabilidades. Se uma determinada coisa falhou 90% do tempo, é sensato acreditar que continuará a fazê-lo. E se uma outra coisa deu certo 90% do tempo, é também sensato pensar que vai continuar a fazê-lo.

Três

Eu aprendi a concentrar-me nas coisas que podemos controlar e deixar o resto para lá. O que eu posso controlar? Despesas, impostos, custos de volume de negócios, a diversificação, a seleção de classes de ativos, para citar alguns. A maioria do resto de que a média se concentra é apenas ruído.

Eu também posso controlar (até certo ponto, pelo menos) as minhas emoções, minhas expectativas e minha disciplina. Eu aprendi que é extremamente útil para mim fazê-lo.

Quatro

Não importa o quão cuidadosamente e sabiamente eu faça um plano para meus investimentos, pois quase todos do mercado terão uma ideia melhor. Essas ideias melhores quase sempre resultam em lucros para o mercado, independentemente de me fazer bem ou não.

Wall Street quer fazer amizade comigo (e com o meu dinheiro). Eu sou totalmente a favor de ter amigos, mas os investimentos devem ter uma relação de negócios, não de amizade.

Cinco

A maioria dos investidores não está preparada para lidar com a turbulência emocional dos mercados. Os altos e baixos do mercado levam as pessoas a querer comprar e vender na hora errada, e muitos investidores fazem exatamente isso.

Isso conduz a duas lições práticas. Primeiro, configure seus investimentos para que eles sejam suficientemente diversificados, utilizando os serviços de um consultor profissional mais experiente. Em segundo lugar, não perca seu tempo assistindo e lendo as notícias financeiras ou verificando seus saldos.

Seis

Eu aprendi que a sorte tem um impacto maior sobre a vida regressa do que a maioria das pessoas estão dispostas a admitir. Conheço um casal que vendeu a maior parte de sua carteira de investimento, a fim de comprar uma casa, enquanto esperavam para vender o lugar que eles estavam vivendo.

Toda a sabedoria convencional aconselharia a não fazer isso. Mas, como se viu, eles evitaram a queda repentina do mercado de ações de 1987, que acabou com trilhões de dólares de investimentos em apenas algumas horas.

Depois de sua casa vendida, eles investiram os recursos e passaram a montar posição no próximo grande mercado em alta, com 30% mais dinheiro do que teriam se tivessem seguido a sabedoria convencional. Esta não foi uma boa estratégia. Foi pura sorte.

Sete

Uma e outra vez eu vi os investidores se concentrarem quase que exclusivamente sobre os grandes resultados que esperam obter.

Mas isso é essencialmente um desperdício do nosso tempo e energia. Se o investimento for bem sucedido, eu garanto que você não vai ter dificuldade em aceitar o sucesso.

Em vez disso, concentre-se sobre a perda potencial que você pode enfrentar se as coisas não saem como o esperado. Por exemplo, qualquer ação individual pode perder a maior parte ou a totalidade do seu valor, independentemente de quão boa é a “história” dos seus produtos ou de gestão. Um fundo de ações diversificado, por outro lado, tem uma perda esperada de apenas 50%.

Oito

Um problema muito comum dos investidores é correr em direção ao risco – muitas vezes sem perceber. Aprendi o quanto é importante passar o bastão de risco para outros investidores. E é muito fácil fazer isso.

Nove

Falando de riscos, eu aprendi a nunca assumir um risco, a menos que eu seja recompensado financeiramente por isso. Por exemplo, a compra de um fundo de crescimento large-cap expõe ao risco de que você pode perder metade (ou mais) do seu investimento – mas o retorno esperado é muito maior. Por outro lado, um fundo de valor large-cap expõe ao mesmo risco, mas oferece três pontos percentuais adicionais do retorno esperado a longo prazo.

Dez

Eu aprendi o valor da liquidez de um dia. Se eu tiver que esperar semanas (ou até meses) para vender um investimento, eu vou estar frustrado e sentir como se eu tivesse perdido o controle. Quando investimentos ilíquidos vão mal e muitas pessoas querem sair ao mesmo tempo, os mecânicos previsíveis de oferta e demanda podem roubar grande parte do valor desses investimentos.

Onze

As decisões de compra e venda que partem do emocional podem ser o pior inimigo de um investidor. Por isso, eu aprendi a fazer o processo da forma mais mecânica possível.

Doze

Eu aprendi que 99,9% dos investimentos de sucesso tem estratégia defensiva, e não ofensiva. Isso significa evitar a perda do dinheiro que você tem guardado e dos ganhos que você conseguiu.

Nos esportes, os especialistas têm um ditado: o ataque ganha jogos, mas a defesa ganha campeonatos. Eu acredito que isso valha também para os investimentos.

Fonte InfoMoney | De São Paulo | Por Arthur Ordones

Como montar um plano financeiro

Imagem

Estou um pouco perdido em traçar um efetivo plano financeiro para os meus objetivos (aposentadoria, bens de consumo, casa, viagem, filhos, reformas etc). A principal dificuldade está na alocação dos ativos para cada objetivo e em estabelecer um desvio padrão, além de administrar a carteira/patrimônio com um mínimo de regularidade. Preciso montar uma carteira e conseguir controlá-la. Fico em dúvida quando há ingresso de renda extra. Enfim, preciso de um planejador financeiro pessoal, mas tenho dificuldades em definir como contratar.

Oswaldo Sena, CFP, responde:

É bastante comum ouvir dúvidas como as suas. Acredito que o pequeno roteiro descrito a seguir possa ajudá-lo a avançar em seu plano financeiro.

Faça um levantamento dos gastos atuais necessários para a sua vida cotidiana. Lembre-se de que as despesas não são iguais em todos os meses, por isso faça uma previsão média baseada em um ano inteiro. Faça o mesmo levantamento para todas as suas receitas.

Depois disso, estabeleça os seus objetivos de curto, médio e longo prazo (por exemplo: carro, viagem, casa própria, educação no exterior, aposentadoria etc).

A alocação à qual você se refere vai depender inicialmente do quanto você gasta, pois apenas o excedente é que será direcionado para acumular recursos para cada um dos seus objetivos. Se não houver excedente ou ainda faltar dinheiro, você precisará reavaliar o seu modo de vida.

Se conseguir pagar todas as despesas normais usando até 70% da renda líquida, estará numa situação confortável para atingir todos os seus objetivos, porque poderá direcionar todos os meses os 30% restantes para investimentos com vistas à acumulação necessária para a execução dos objetivos.

Assim, você pode começar alocando 10% para os objetivos de curto prazo, 10% para os de médio e 10% para os de longo prazo. À medida que atingir os primeiros, poderá aumentar a parcela para os objetivos de médio e longo prazos.

Para ter sucesso, será fundamental que você mantenha sempre uma boa administração dos gastos. Também fique atento para manter sempre uma reserva de segurança (equivalente a seis meses dos gastos mensais) e para que os investimentos escolhidos para os recursos de cada objetivo estejam sempre alinhados com os prazos desses objetivos.

Quanto ao monitoramento de seu portfólio, não é preciso se preocupar em verificar com muita frequência. Se o seu portfólio for corretamente dimensionado, verifique trimestralmente. Fazer isso, juntamente com um possível rebalanceamento, é tudo o que você precisa (o rebalanceamento ainda pode ser semestral ou anual). Checar frequentemente apenas aumenta a ansiedade.

Um planejador financeiro será de grande valia para auxiliá-lo no processo de montagem de um portfólio diversificado, equilibrado e que esteja de acordo com o seu perfil. Além disso, ele poderá ajudar a tirar todas as dúvidas que você possa ter, mesmo em outros assuntos que podem afetar a sua vida financeira. Também é fácil para um planejador financeiro trazer especialistas para esclarecer assuntos mais complexos.

Não se preocupe em definir como contratar um planejador. O melhor é você selecionar um planejador financeiro qualificado e entrar em contato. É relativamente comum haver uma reunião inicial para conhecimento mútuo, discussão e definição do trabalho a ser feito, assim como a forma da prestação do serviço e remuneração. Na maioria dos casos, essa reunião ocorre sem custo.

Boa sorte!

Oswaldo Sena é planejador financeiro pessoal, e possui a certificação CFP (Certified Financial Planner) concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF). Email: oswaldosena@hotmail.com

Fonte: Valor Econômico | Por Consultório Financeiro